Plano de concessões de estradas e ferrovias pode ser ampliado.

24-08-2012 20:21

O programa de concessões de estradas e ferrovias, lançado na semana passada pelo governo, poderá ser aperfeiçoado para atender demandas de estados e municípios. Nos próximos dias, o Ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, e o presidente da recém-criada Empresa de Planejamento e Logística (EPL), Bernardo Figueiredo, vão participar de uma série de reuniões com bancadas regionais do Congresso Nacional para esclarecer dúvidas de parlamentares sobre o plano e ouvir pedidos que podem fazer parte dos projetos a serem apresentados nos editais de concessões.

A rodada de reuniões com as bancadas regionais foi definida ontem após encontro dos líderes da base aliada com a Ministra das Relações Institucionais Ideli Salvatti. Passos e Figueiredo foram convidados para esclarecer o programa de concessões para os parlamentares e saíram de lá com algumas demandas encaminhadas. Entre elas está a necessidade de articular as estradas e as ferrovias a serem concedidas com os projetos de mobilidade urbana em curso nas regiões metropolitanas do país.

"É claro que também foram feitos pedidos para a inclusão de demandas locais nos
planos de concessão", disse Ideli.

Durante a reunião, Bernardo Figueiredo reconheceu a necessidade de ouvir as demandas locais para aperfeiçoar o plano de concessões. Ele citou, como exemplo, ajustes feitos no plano original após ter conversado com representantes do Espírito Santo, um dos estados que terão rodovias e ferrovias concedidas pela União. Os encontros começaram ontem com a bancada do Nordeste e se estenderão para hoje com os parlamentares da região sul.

Resistência - A aproximação com os parlamentares também pretende vencer qualquer possível resistência em torno de Bernardo Figueiredo que teve a sua recondução a diretor da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) rejeitada pelo Congresso. Os parlamentares não poderão decidir sobre isso, mas a criação da nova estatal, feita por meio de medida provisória (MP), ainda terá que ser aprovada pelo Congresso Nacional.

A medida provisória da EPL tem prazo até o dia 13 de dezembro para ser aprovada pelos deputados e senadores. O líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), acredita que não haverá resistências em relação ao nome de Figueiredo. Segundo ele, a rejeição ao cargo de diretor na ANTT foi um problema pontual e que já foi superado. "Não há como fazer um filme a partir de uma fotografia de um momento", afirma.

Fonte: Agência Senado / Usuport - Adaptado pelo Site da Logística.

 

Voltar