Pesquisa aponta fatores que interferem no valor dos fretes do transporte de cargas.

03-07-2012 20:14

Pesquisa aponta fatores que interferem no valor dos fretes do Trabalho contribui estrategicamente com os setores público e privado de transporte.

Os valores dos fretes praticados pelo transporte rodoviário de cargas podem ser distintos para diferentes produtos, mesmo que a movimentação seja feita pela mesma rota, infraestrutura e veículo. A demanda por certa mercadoria e a sazonalidade da oferta e da procura são fatores que interferem no preço final do frete e da mercadoria cobrada do consumidor.

Esse é o resultado de um trabalho do Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial (ESALQ-Log) da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (USP). Realizada em parceria com a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), a pesquisa avalia semanalmente dados dos preços dos fretes de todo o país - principalmente de cargas como alimentos, produtos agrícolas, combustíveis e produtos de alto valor agregado.

As informações são fornecidas por transportadores e agentes embarcadores e a análise desta etapa deve prosseguir até agosto. No total, serão estudadas as variações dos fretes em 500 rotas definidas em conjunto pela ANTT e pelo ESALQ-Log.

De acordo com o trabalho, outros fatores que influenciam no preço são o fato de o destino final ser um porto - o caminhão pode ficar parado na fila para descarregar; as regiões de origem e destino; o número de pedágios; a conservação das vias; a concorrência entre produtos; entre outros. O estudo traz ainda indicadores de tarifas de pedágio, e o custo de transporte para todas as regiões.

"Os resultados são importantes porque contribuem com a tomada de decisões do setor público para investimentos em infraestrutura. Para o setor privado, a pesquisa pode contribuir com informações no âmbito logístico, tático e operacional", explica à Agência CNT de Notícias o pesquisador Thiago Guilherme Péra, um dos integrantes do ESALQ-Log.

O estudo contribui estrategicamente com o setor de transporte. De acordo com Péra, a iniciativa tem três objetivos principais: mostrar a evolução do preço dos fretes nas rotas avaliadas; consolidar e atualizar um banco de dados sobre o custo do transporte no Brasil; e, por último, elaborar um modelo econométrico de determinação do preço do frete.

A última etapa do projeto, a finalização das modelagens econométricas, deve começar a partir de agosto. A ANTT pretende disponibilizar o material por meio de sua assessoria técnica e também sob a forma de artigos em revistas científicas.

Fonte: Shoptrans / Usuport - Adaptado pelo Site da Logística.

 

Voltar