Ministério de Logística Brasileiro: uma solução inteligente!

29-03-2011 10:01

Por Leonardo Sanches de Carvalho

A última década mostrou visceralmente que um dos principais entraves para o crescimento da economia brasileira é a infraestrutura logística. Portos sucateados, estradas em péssimas condições de uso, aeroportos obsoletos, sistema ferroviário acanhadíssimo para um país de dimensões continentais, cabotagem praticamente inexistente, entre diversos outros, são alguns dos problemas urgentes a serem solucionados por nossos governantes para o Brasil voltar a crescer em patamares compatíveis com a importância da sua economia para o mundo.

Todos os entraves logísticos aqui citados poderiam ser resolvidos ou melhorados se fossem trabalhados de maneira integrada, porém, a estrutura governamental brasileira está mais uma vez na contramão das grandes potências mundiais e continua segmentando as tratativas relacionadas à Logística, fragmentando suas ações em vários ministérios distintos ou secretarias especiais, quando o mais lógico, pragmático e racional seria a criação de um Ministério de Logística que trataria de todas essas questões de maneira integrada. Não é salutar e nem tão pouco inteligente, a “pasta” dos Transportes disputar verbas com a “pasta” de Infraestrutra, que disputa com a “pasta” de Portos, etc. Enfim, há uma disputa por recursos onde deveria haver projetos comuns, integradores e complementares.

No entanto, ainda há tempo para reagir e um dos países em que o Brasil poderia espelhar o seu modelo de governança na área de Logística poderia ser a Alemanha, embora se deva resguardar diferenças relativas à disponibilidade financeira e ao baixo custo de capitais dos “gringos”, o que ainda não é uma realidade no Brasil. Ainda assim, o modelo alemão poderia ser uma alternativa ao estrangulamento da questão logística da terra “Brasilis”.

Fazendo uma análise comparativa superficial das operações em portos fluviais, terminais e operadores de logística multimodal entre os modelos de gestão praticados nos dois países, percebe-se claramente que o Brasil carece de investimentos em toda a cadeia logística para chegar ao nível dos países desenvolvidos. Entretanto, é preciso uma participação conjunta entre Governo e setor privado, já que por vários anos a infraestrutura logística brasileira ficou praticamente sem aportes financeiros, uma vez que o Estado acreditou que o setor privado poderia resolver sozinho o problema do segmento. Não obstante, é sabido por todos que a maior parte do investimento em infraestrutura deve ser de responsabilidade do Estado, pois, dificilmente o setor privado vai conseguir fazer isso sozinho.

Infelizmente os investimentos financeiros estão diretamente atrelados ao modelo de governança e, talvez seja esse o maior entrave de todos. É clichê dizer que o Brasil é um país rico que gasta muito mal os seus recursos. O traçado da ferrovia não é o tecnicamente correto e sim aquele que beneficia mais cidades ou mais interesses, hidrovias não são exploradas, no entanto se gasta “rios de dinheiro” com a recuperação de rodovias, afinal o “Brasil se movimenta sobre as rodas de um caminhão” e dos cifrões que essa indústria rodoviária movimenta. Investe-se na recuperação de portos que deveriam ter apenas finalidades turísticas por estarem praticamente dentro de zonas urbanas. Fala-se agora na construção de algumas Plataformas Logísticas, porém, via de regra, não dispomos de estradas que se complementam de maneira integrada com ferrovias e essas, por sua vez, com portos, aeroportos, etc. Ou seja, mais uma vez a estratégia Logística está segmentada.

Esses problemas nos remetem a necessidade premente de criação de um Ministério de Logística que trate exclusivamente dessa atividade no País, focando em bom senso, integração e gestão. Infelizmente, no Brasil, a vontade política é outro fator crucial. No entanto, se faz necessário frisar que infraestrutura é uma área eminentemente técnica e que deveria ser conduzida por técnicos. Porém, utopias à parte, somente a integração das ações em Logística com a criação de um Ministério único já seria de grande valia para a economia brasileira.

 

Leonardo Sanches de Carvalho é Engenheiro Mecânico, Mestre em Administração e MBA em Logística e Distribuição. Trabalhou em empresas de grande porte como General Electric e VALE. Atualmente é gerente da área de Logística e Gestão da Produção do SENAI CIMATEC.

 

Voltar

Comente esse artigo!

Data 22-12-2014

De zacarias127@hotamil.com.br

Assunto Ministério da Logística

Responder

Boa ideia Doutor! Excelente SINALIZAÇÃO.

Data 22-12-2014

De zacarias127@hotamil.com.br

Assunto Ministéro

Responder

Data 22-12-2014

De zacarias127@hotamil.com.br

Assunto Ministéro

Responder

Data 22-12-2014

De zacarias127@hotamil.com.br

Assunto Ministéro

Responder

Data 18-07-2012

De Patrícia Rossari

Assunto Ministério da Logística

Responder

Concordo. Falta conhecimento técnico destas questões e falta vontade política

http://patriciarossari.blogspot.com.br/#!/2012/07/controle-da-falhas-no-processo-atraves.html