Empresa de logística da Vale recebe aporte de R$ 2 bi.

23-07-2013 14:08

A VLI, subsidiária da Vale no segmento de transporte de carga geral, receberá um aporte de R$ 2 bilhões em seu caixa com a entrada de três sócios. O nome dos novos parceiros serão conhecidos no dia 31, após o conselho de administração da mineradora aprovar a operação.
"Vamos aportar R$ 2 bilhões na VLI sob a forma de investimento primário (do total arrecadado). Qualquer outro valor que for apurado vai para o caixa da Vale, que estará vendendo suas ações", revelou o diretor executivo de Logística e Pesquisa Mineral da Vale, Humberto Freitas, em entrevista ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado.

Criada em setembro de 2010, a VLI atraiu 12 grupos para a disputa, sendo dois estrangeiros. A venda da subsidiária de transporte de carga geral faz parte da estratégia de desinvestimento da companhia para centrar esforços em seu negócio principal: minério de ferro, níquel, cobre, carvão e fertilizantes.

De acordo com Freitas, entretanto, a Vale não reduzirá sua fatia a menos de 30%. O executivo evita estimar o valor total do negócio, embora o conjunto de ativos da VLI sugira que deva ir muito além de R$ 2 bilhões. O portfólio de ativos logísticos transferido pela Vale à empresa inclui a Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), a ferrovia Norte-Sul e o Terminal Integrador Portuário Luiz Antonio Mesquita (Tiplam, no Porto de Santos).

Para este último, a VLI espera receber a licença ambiental que permitirá a implantação de três novos berços de atracação até 2017. As novas estruturas permitirão que ele passe a exportar açúcar e grãos, além da atual importação de fertilizantes. A operação de um berço do porto público de Itaqui, no Maranhão, também está sendo passada à VLI, que movimentará produtos como grãos, ferro-gusa e concentrado de cobre no local.

A companhia tem ainda uma rede de quatro "terminais integradores" - Araguari, Pirapora, Ouro Preto (todos em MG) e Palmeirante (TO). Segundo Freitas, outros seis terminais serão construídos nos próximos anos - o primeiro deles será inaugurado em agosto, em Belo Horizonte.

Há ainda contratos firmados este ano com a Vale para garantir o uso pela VLI de concessões logísticas mantidas pela mineradora. O prazo médio dos contratos é de 25 anos.

Hoje, a VLI tem desenhado um plano de investimento de R$ 9 bilhões até 2017. O orçamento para 2013 deve chegar a R$ 1,35 bilhão.

Fonte: O Estado de S.Paulo / Usuport / Adaptado pelo Site da Logística.

 

 

Voltar