Brasil aproveitará lições europeias.

05-09-2012 22:14

A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, disse ontem que a viagem à Europa para avaliar as práticas de gestão de portos e aeroportos foi "muito produtiva" e vai embasar as discussões e decisões do Governo sobre o modelo de concessão no Brasil. Ao ser questionada se houve falta de interesse dos investidores europeus, a ministra afirmou que não foi o que percebeu.

"As pessoas têm muito interesse no Brasil, em investimentos no Brasil. Acho que foi importante e nós estamos com as informações e as considerações que eles fizeram", afirmou, ao chegar ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) para participar da reunião da Câmara de Comércio Exterior (Camex).

Gleisi disse ainda que a data da divulgação do novo modelo de concessão para portos e aeroportos será definida pela presidente Dilma Rousseff. Na semana passada, a ministra da Casa Civil comandou uma missão à Europa para visitar aeroportos e portos na Alemanha, Bélgica, Holanda e França.

Ferrovias - O ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, avaliou ontem que os novos 10 mil quilômetros de ferrovias que o Governo pretende licitar estarão aptos para transportar passageiros, ao contrário da malha atual que é usada quase inteiramente apenas para o tráfego de cargas. O conjunto de ferrovias faz parte do Programa de Investimentos em Logística lançado no mês passado.

"Hoje não faz sentido colocar uma pessoa sentada para andar a 30 quilômetros por hora. Mas na hora em que nós tivermos essas ferrovias bem construídas, que permitam boas velocidades, teremos a possibilidade de fazer conviver o transporte de cargas com o transporte de passageiros", disse o ministro na abertura do evento Brasil nos Trilhos, promovido pela Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários.

Ainda assim, completou Passos, a expansão da malha continuará sendo usada primordialmente para o escoamento "de um volume de cargas de grandes proporções". Para o ministro, o programa é uma resposta às demandas acumuladas no País nos últimos 20 anos.

"Precisamos ter uma infraestrutura maior e melhor, mas associada ao desenvolvimento de atividades logísticas competitivas. Isso significa superar as deficiências nesse campo, para podermos ter uma posição que seja capaz de nos colocar frente a frente com os países desenvolvidos", completou.

Nesse sentido, Passos destacou também os investimentos em rodovias - que já foram anunciados -, além de portos e aeroportos, que devem ser divulgados pelo Governo nas próximas semanas. "O programa de logística veio para assegurar que possamos ter devolvida a capacidade de planejar de maneira integrada os sistemas de transportes do País", concluiu.

BR-101 - Passos disse que o Governo espera uma solução judicial em torno da concessão da BR-101 para poder, finalmente, assinar o contrato referente ao leilão realizado em janeiro deste ano. O grupo segundo colocado no certame - Rodovia Capixaba - questiona o triunfo do consórcio Rodovia da Vitória, liderado pela EcoRodovias. Segundo o ministro, o Tribunal de Contas da União já liberou a assinatura do contrato, mas uma liminar impede a formalização da concessão.

Fonte: A Tribuna / Usuport - Adaptado pelo Site da Logística.

 

Voltar