Bahia tem R$ 10 bilhões em projetos de portos.

05-09-2014 11:26

Os investimentos previstos em ampliações e construções de portos públicos e privados na Bahia ultrapassam os R$ 10 bilhões. Dois grandes projetos, o Porto Sul, em Ilhéus, e o Bahia Terminais, respondem por quase 90% da conta – que fecha com os terminais privativos da Braskem, em Aratu, e do Enseada Indústria Naval, em Maragojipe, além dos arrendamentos nos três portos públicos do estado, Salvador, Aratu e de Malhadas, em Ilhéus. 

Quando se tornarem realidade, os projetos deverão reduzir os custos do setor produtivo e funcionar como indutores do desenvolvimento do estado. No presente, as estruturas existentes cumprem o papel contrário, apontam representantes do setor produtivo. Operações de carga e descarga que chegam a demorar dias prejudicam os negócios de quem precisa oferecer qualidade em um mercado cada vez mais competitivo.
 
“A infraestrutura existente não atende as necessidades de quem opera na Bahia, portanto, é insuficiente para nos tornar atrativos a novos negócios”, afirmou o presidente da Associação dos Usuários de Portos da Bahia (Usuport), Marconi Oliveira, ontem, em um evento que comemorou os 10 anos da entidade.
As estimativas apresentadas pela Usuport são de uma perda entre 40% e 50% em cargas que deixam de ser movimentadas nos terminais baianos por falta de infraestrutura adequada.
 
Públicos ou privados?
 
Os usuários de portos defendem o investimento no arrendamento de áreas nos portos públicos para viabilizar a modernização das estruturas com recursos privados.
 
Após diversos estudos, realizados pela iniciativa privada e pela Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba), foram definidas intervenções nos portos de Aratu e Salvador, que previam investimentos de R$ 800 milhões e R$ 500 milhões, respectivamente, na modernização e ampliação de terminais de operação e áreas para a atracação de navios. Entretanto, os projetos estão entre os que foram apresentados após a nova Lei dos Portos e são questionados pelo Tribunal de Contas da União. Para o secretário da Indústria, Comércio e Mineração, James Correia, a solução para os problemas portuários da Bahia estão em investimentos privados. Mas não no arrendamento de terminais, mas na construção de portos.
 
Como exemplo, ele cita os projetos da Bahia Terminais, que arrendou uma área de quase 4 milhões de metros quadrados ao lado do Porto de Aratu, como noticiado ontem pela coluna Negócios, do CORREIO. “Esta é a solução para atender às indústrias baianas. O Porto de Aratu está sucateado e não acredito que os arrendamentos serão liberados tão cedo. Correia cita também o terminal privativo aprovado pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) em Enseada do Paraguaçu e a expansão do terminal da Ford. 
 
 

Fonte: Correio / Usuport - Adaptado pelo Site da Logística.


Voltar