Antuérpia quer ser exemplo para o Brasil.

28-09-2012 20:21

Enquanto o Brasil prepara um pacote de concessões para portos, surgem candidatos a prestar consultorias e a propor parcerias para melhorar a gestão e ampliar a capacidade dos terminais. Esse é o caso do porto da Antuérpia, situado na Bélgica, que foi visitado no final de agosto por uma missão liderada pela ministra Gleisi Hoffmann (Casa Civil).

Para o presidente do porto, Eddy Bruyninckx, o modelo adotado na Antuérpia pode servir de exemplo para o Brasil. Além da movimentação de cargas, ele oferece prestação de serviços e reúne um grupo de empresas do setor petroquímico - o segundo maior do mundo, atrás apenas de Houston (EUA).

Crescimento - A expansão internacional faz parte dos planos do porto europeu. Em maio deste ano, sua subsidiária Porto de Antuérpia Internacional comprou 4% da Essar Ports, um dos maiores grupos privados do setor na Índia.

O acordo entre as empresas prevê consultorias para aumento de produtividade e melhorias nas áreas tributária e de processos. Segundo Bruyninckx, essa parceria pode ser replicada no Brasil, que ao lado da Índia é o foco do porto da Antuérpia fora da Europa. "Queremos dividir com o Brasil a experiência e o 'know how' desenvolvidos pela autoridade portuária e pela comunidade do porto", afirma o presidente.

O porto da Antuérpia é 100% controlado pela cidade de mesmo nome. Mas Bruyninckx, que está há 20 anos à frente do porto, diz que o modelo de concessões é bem-sucedido. O setor privado, diz ele, pode viabilizar os altos investimentos, mas as decisões estratégicas devem continuar nas mãos do governo.

Fonte: Folha de S.Paulo - Adaptado pelo Site da Logística.

 

Voltar