Alto custo dos transportes afeta competitividade de produtos brasileiros.

20-02-2014 21:20

No seminário Cadeias Globais de Valor e Agenda Comercial no Século XXI, evento promovido pela Diretoria de Estudos e Relações Econômicas e Políticas Internacionais (Dinte) e coorganizado pelo instituto norte-americano Center of Concern, realizado no dia 5 último, no Rio de Janeiro, discutiu também o transporte e a competitividade dos produtos brasileiros. O técnico de Planejamento e Pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Ivan Oliveira, destacou que o debate sobre as cadeias de valor está vinculado à agenda de competitividade. Segundo ele, alguns empecilhos tornariam os produtos brasileiros menos competitivos no mercado internacional. "É muito baixo o investimento em infraestrutura no país, seja em portos e aeroportos. Isso ocasiona que o custo do transporte no Brasil, por exemplo, permaneça altíssimo. É mais caro transportarmos uma carga de São Paulo para Santos do que de Nova York para São Francisco", ressaltou.

Marcelo Nonnenberg, também técnico do Ipea, fez coro à afirmação de Oliveira e ainda ressaltou: "É fundamental que a gente pense em redução do custo dos transportes. É algo crucial", afirmou. O diretor da Dinte, Renato Baumann, corroborou a afirmação dos colegas e trouxe o aspecto da geografia da América do Sul como um fator que dificulta as trocas comerciais: "O contato com os principais centros de comércio (América do Norte, Europa e Ásia) só pode se dar pelo mar. Já pelo interior do continente, só por meio de hidrovias e ferrovias. É uma geografia ingrata".

Agenda comercial - Juan Blyde, representante do Banco Interamericano de Desenvolvimento (IDB), exemplificou a dificuldade de integração entre os países latinoamericanos por meio do caso do Chile. "A principal zona portuária chilena e o Rio de Janeiro estão separados por mais de sete mil km. É um grande desafio a integração latinoamericana", acrescentou.

Sandra Rios, do Centro de Estudos de Integração e Desenvolvimento (Cindes) salientou que a dificuldade de aproximar o Brasil e os países vizinhos vai muito além da geografia. "Falta uma integração produtiva no Mercosul. Ainda não completamos a agenda básica de integração comercial", reforçou.

Nanno Mulder, representante da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe, destacou que a aproximação comercial entre os países sul-americanos pode trazer benefícios para a região. "Há complementaridade entre a economia de nossos países. Precisamos passar das fronteiras. O que falta mesmo é uma agenda regional".

Com informação do Ipea.

Fonte: Portogente / Usuport - Adaptado pelo Site da Logística.


Voltar